Existem muitas pessoas (e até países) que reivindicaram a invenção da bicicleta, mas a realidade é que não há uma única pessoa que pode ser creditada pela criação das nossas amigas do pedal. Foi preciso um esforço conjunto ao longo de alguns séculos para nos levar dos modelos primitivos de bikes até suas versões modernas de hoje.

Quem inventou a bicicleta Draisienne?

Para entender como chegamos ao design da bicicleta, precisamos começar na Draisienne. Feita inteiramente de madeira, não havia pedais ou engrenagens, mas apenas duas rodas e um assento. Usando uma roda dianteira direcionável, estas foram usadas ​​para acelerar as viagens, mas desapareceram tão rapidamente quanto surgiram devido a muitos acidentes. Extremamente pesadas e difíceis de dirigir, as pessoas geralmente perdiam o controle nas esquinas das movimentadas ruas de pedestres.

A invenção dos triciclos e quadriciclos, e a chegada do velocípede

Embora ainda estivessem longe do design típico de bicicleta de duas rodas, eles introduziram o uso de pedais, pedais ou manivelas para impulsionar o veículo para a frente. Os triciclos e quadriciclos eram extremamente pesados ​​e tinham alta resistência ao rolamento.

O Velocípede foi inventado na França e tinha um design semelhante a Draisienne. Revertendo para duas rodas, o velocípede tinha pedais na roda dianteira e um freio que consistia em uma alavanca de metal e uma almofada de madeira que pressionava contra a roda traseira.

Sem marchas, uma rotação do pedal significava apenas uma rotação da roda. Fiel ao nome, essa ‘bicicleta’ era extremamente desconfortável, com a roda de madeira e os pneus de ferro nas ruas irregulares de paralelepípedos fazendo um passeio esburacado.

O surgimento das Penny Farthing (bicicleta com rodas alta)

O Penny Farthing foi o primeiro modelo feito inteiramente de metal e foi muito mais agradável de pilotar com a grande roda dianteira, tornando-o mais confortável, mais fácil de navegar e mais eficiente. O pedal ainda estava preso à roda dianteira, mas como era muito maior, cada rotação o levava mais longe.

O problema estava se equilibrando bem o suficiente para permanecer no veículo com rodas altas. Mesmo o menor solavanco inesperado na estrada poderia fazer com que o ciclista perdesse o equilíbrio e caísse de cabeça na rua.

A bicicleta de segurança (Diamond Frame ou Rover)

O inglês John Kemp Starkely lançou a primeira bicicleta de segurança comercialmente bem-sucedida (chamada Rover), mas não foi necessariamente inteiramente o seu design. Havia alguns modelos semelhantes com o uso do trem de força, mas o Rover foi o ponto de ruptura para o ciclismo.

Com a introdução do metal forte e leve o suficiente para fazer uma corrente e rodas dentadas, isso permitiu tamanhos de roda menores e a multiplicação das rotações dos pedais. Isso marcou uma mudança nas bicicletas de um brinquedo perigoso para um meio de transporte eficiente disponível ao público em geral.

Invenção da bike

Várias pessoas contribuíram para a invenção da bicicleta, resultando na nossa companheira de pedal de hoje. (Foto: History.com)

O pneu pneumático

A invenção do pneu pneumático (cheio de ar) não apenas tornou as bicicletas muito mais confortáveis ​​de andar, como também mais seguras. O médico escocês John Boyd Dunlap teve a ideia ao tentar encontrar uma maneira de andar de bicicleta para ser mais confortável para seu filho doente.

O início da mania das bicicletas

O acoplamento do quadro diamante e dos pneus cheios de ar de borracha tornou as bicicletas acessíveis e prontas para a produção em massa pela primeira vez. Em 1897, havia mais de 2 milhões de bicicletas vendidas apenas nos Estados Unidos, o que era cerca de 1 por 30 pessoas. O ciclismo tornou-se não apenas um meio de transporte, mas também o veículo para o crescente movimento dos direitos das mulheres, uma cultura própria e um estilo de vida abrangente.

As bicicletas em constante evolução

Embora os materiais tenham mudado bastante, com bicicletas leves feitas de titânio ou fibra de carbono, o design sofreu apenas pequenos ajustes ao longo do tempo. Talvez o maior dos quais tenha sido o desenvolvimento do câmbio e das marchas. Até esse momento, na década de 1930, a roda traseira possuía uma roda dentada em ambos os lados do cubo e precisava ser removida e girada toda vez que o motociclista queria trocar de marcha.

A segunda metade dos anos 1900 viu a expansão do ciclismo para bicicletas de montanha, bicicletas de BMX, híbridas e tudo mais. Agora, temos inúmeras opções quando se trata de escolher uma bicicleta, todas muito mais confortáveis ​​e divertidas de andar do que as primeiras bikes!

Quais bicicletas clássicas vocês mais gostam? O que acham que as bicicletas do futuro vão trazer de novidade?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)